Podcast | PODCAST #141: Os filmes de Michael Mann
Baixar Podcast | Feed RSS | Assinar no iTunes | Publicado em 26/06/2015

Sobre este podcast:

 

Instale o App do Podcast Cinema em Cena em seu smartphone!

Use a câmera do seu telefone para ler o código ao lado ou abra este link no navegador do telefone e crie um atalho para ele.

O ícone aparecerá na tela inicial e você terá acesso a todos os episódios!

 

 

Na 29ª entrada da série Grandes Diretores, o Podcast Cinema em Cena revisita a obra de Michael Mann, cineasta norte-americano, autor de filmes como Profissão: LadrãoCaçador de AssassinosFogo Contra FogoO Informante, Miami Vice Inimigos Públicos. Durante o programa, nós comentamos também os trabalhos para a TV, os filmes não policiais como A Fortaleza Infernal, O Último dos Moicanos Ali, o mais recente filme, Blackhat (que teve lançamento cancelado nos cinemas brasileiros), tudo isso levantando os aspectos estilísticos e temáticos encontrados em sua filmografia.

Programa apresentado e produzido por Renato Silveira, com os comentários de Antônio Tinôco e Stephania Amaral, da equipe Cinema em Cena, e do crítico de cinema Marcelo Miranda.

Edição e mixagem de áudio: Eduardo Garcia.

Interaja com os demais ouvintes nos comentários abaixo. Tem um recado para a nossa equipe? Envie sua mensagem para o e-mail cinema@cinemaemcena.com.br

Série Grandes Diretores: #1 - Steven Spielberg | #2 - Martin Scorsese | #3 - Billy Wilder | #4 - David Cronenberg | #5 - Sergio Leone |#6 - Roman Polanski | #7 - Paul Verhoeven | #8 - Glauber Rocha | #9 - Michelangelo Antonioni | #10 - John Carpenter |#11 - Stanley Kubrick | #12 - Michael Haneke | #13 - Robert Zemeckis | #14 - David Lynch | #15 - Pedro Almodóvar | #16 - Nelson Pereira dos Santos | #17 - Alfred Hitchcock | #18 - Brian De Palma | #19 - Woody Allen | #20 - Milos Forman | #21 - Eduardo Coutinho | #22 - Ethan e Joel Coen | #23 - Orson Welles | #24 - Andrei Tarkovsky | #25 - Hayao Miyazaki | #26 - Francis Ford Coppola | #27 - William Friedkin | #28 - Lars von Trier

  • Rafael Rabelo Silva em 01/10/2015 às 19:37

    Renato, Antônio, Stephania e Marcelo: muito obrigado por abordarem a carreira do Michael Mann.

    Procuro ler muito a respeito sobre a obra do Mann. Muitos artigos bons espalhados pela internet, alguns ótimos videos no youtube agregando "padrões" da filmografia. Tenho mesma impressão que o Marcelo Miranda: os filmes dele marcam muito por algumas cenas. Vou dar um exemplo: vi Collateral apenas 1 vez, não vi completo, porém marcou-me muito uma cena em que o personagem do Cruise entra num bar ou casa de show e é mostrado o personagem vivido Barry Shabaka Henley em "ação".

    Miami Vice foi o primeiro filme do Mann que vi no cinema. Recordo-me bem da primeira vez que vi o trailer, nos cinemas, do quanto o trailer me involveu e da ansiedade ao aparecer que era do diretor de Heat, que muito aprecio. Mal acompanhava notícias sobre cinema, conhecimento muito limitado sobre o assunto. Imediatamente gostei muito do filme. E foi também quando me dei conta de que ele não é um diretor muito popular, pois assistia o filme com um amigo que não apreciou como eu, achava o filme muito confuso.

    Concordo com o Marcelo que foi uma excelente experiência assistir Miami Vice nos cinemas, foi incrível a decisão de iniciar o filme com a cena na boate. E nesse ponto tenho algo a acrescentar. Nos EUA saiu edição em blu-ray de uma unrated director's cut. Já li textos afirmando que a produção de Miami Vice foi muito conturbada, que o Mann ia alterado o roteiro durante as filmagens, definindo locações, que o Jammie Foxx teria se negado a viajar p/ fora dos EUA após um membro da equipe ter levado o tiro numa locação no Caribe. Por todos contratempos o Mann teria feito milagres e montado "apressadamente" o filme, para cumprir uma data de lançamento.

    Essa unrated director's cut do Miami Vice seria então a forma como ele gostaria que o filme tivesse sido lançado, e nela o filme abre com uma longa sequência de créditos. A primeria cena nessa versão acontece numa corrida de barcos, com o primeiro plano do filme acontecendo "embaixo da água", com a câmera saindo para superfície e ocorrendo a apresentação dos barcos. Ao final da corrida, sem qualquer diálogo, há um rápido diálogo entre um "cafetão" e um cliente. Saltamos para a cena da boate e fica claro que o cliente é membro da equipe dos personagens principais, e lá que foi combinado para ocorrer o "serviço". Não consigo definir se é melhor ou pior iniciar o filme assim, apenas que as duas opções são muito interessantes.

    Um ponto da Unrated Director's Cut de Miami Vice admirável é que fica ainda mais explícito como o Mann contrasta os relacionamentos da dupla vivida pelo Farrell e Foxx. Há mais cenas íntimas dos personages do Farrell e a da Gong Li, os movimentos dos dois são nervosos, acelerados, demonstrando que não é uma relação estável, ao contrário da cena íntima do personagem do Foxx e a esposa.

    Se Miami Vice foi o primeiro filme do Mann que assisti nos cinemas, The Insider foi o primeiro filme dele que muito fiquei ansioso em assistir. O filme não me decepcionou quando finalmente pude conferi-lo. É incompreensível alguém achar The Insider entediante. É um filme tenso, muito envolvente, nervoso. Só foi sair em blu-ray recentemente e, infelizmente, sem trilhas de comentários com o Mann.

    No podcast vocês citaram uma cena linda de The Insider em que o Russel Crowe encara o mar, ou um lago, antes de prestar depoimento perante um tribunal. É curioso como cena similar se repete em Miami Vice: o personagem do Colin Farrell encara o mar e nuvens carregadas enquanto a equipe em que trabalha convence um informante/colaborador a apresentá-los ao Jose Yero. Em Heat, quando o Robert De Niro entra em seu apartamento, ele coloca a arma sobre a mesa e se dirige à janela que tem vista para o mar. Li um artigo, certa vez, que tais cenas seriam inspiradas em um quadro.

    Heat é um clássico e foi o primeiro filme do Michael Mann que comprei em DVD. Anos mais tarde eu comprei-o novamente, em blu-ray. Gostaria de recomendar o livro Heat (BFI Modern Classics). O livro chega a abordar um pouco sobre a carreira do Mann. Uma das melhores análises que já li sobre o filme é o texto do Pablo na "coluna" Jovens Clássicos. Felizmente temos uma interessante trilha de comentários no blu-ray lançado.

    Lamentavelmente eu hesitei muito em assistir Thief. Eu o fiz recentemente ao comprar edição da Criterion Collection, em blu-ray. Recomendo muito. As cenas das quebras de cofres em Thief são lindíssimas, concordo com a Stephania. Aliás, logo no início do filme, o personagem do James Caan se dirige a uma praia (ou lago, não sei) e encara o mar ao lado de um pescador. A camaradagem do personagem do James Caan com seu mentor é algo muito tocante.

    Via muitas chamadas de The Last of the Mohicans quando criança. Recentemente eu finalmente o conferi. A proposta do filme é muito bem executada. A sequência final, ao som de uma linda música, com os personagens "escalando" uma montanha, é belíssima. Cenas de disparo dos canhões são fantásticas. Há uma sequência intimista, no início do filme, mostrando um jantar em família que toca muito.

    Sobre o Public Enemies eu acho que faltou comentar que há um ótimo artigo disponível no site sobre a mixagem de som do filme (ou edição, não sei bem definir, desculpem-me).

    Vocês me deixaram muito curioso em conferir Manhunter e Ali. Notei que Ali foi lançado em blu-ray em poucos países (acho que somente Alemanha e França). Manhunter foi lançado em blu-ray nos EUA, e também no Reino Unido.

    Novamente, muito obrigado por terem dedicado um tempo para debate sobre os filmes do Michael Mann.

 

Redes Sociais Sobre