Bem-vindo!
 
Publicidade
Publicidade
Reality – A Grande Ilusão
(Reality)
116 min. - Comédia Dramática - 2012 (Itália, França)
Data de Estreia no Brasil: 26/04/2013
Distribuidora: Europa
Luciano é um homem fanfarrão e com muito talento para comédia que, a pedido dos filhos, se inscreve num reality show. A partir daí, sua vida se transforma.
 

Crítica

por Pablo Villaça

Dirigido por Matteo Garrone. Com: Aniello Arena, Loredana Simioli, Nando Paone, Nello Iorio, Raffaele Ferrante, Nunzia Schiano, Rosaria D’Urso, Giuseppina Cervizzi.

Quatro anos depois de ganhar renome graças ao seu ótimo Gomorra, o cineasta italiano Matteo Garrone retorna ao Cinema com este igualmente envolvente Reality – que, completamente diferente de seu trabalho anterior em tema, abordagem e tom, discute com eficiência a natureza superficial dos conceitos de “celebridade” e “fama” a partir de uma história divertida que, aos poucos, revela uma surpreendente melancolia subjacente.

Escrito a oito mãos pelo diretor ao lado de Ugo Chiti, Maurizio Braucci e Massimo Gaudioso (todos co-autores de Gomorra), o roteiro acompanha o vendedor de peixes  Luciano (Arena), que, pai de família e marido dedicado, dá pequenos golpes para complementar a renda de casa. Considerado pelos parentes como uma espécie de palhaço da família, ele acaba conhecendo em uma festa o ex-BBI (Big Brother Itália?) Enzo (Ferrante), que, famoso graças à sua participação na versão italiana do programa, participa de eventos nos quais insiste em repetir seu bordão “Never give up!” (em inglês, mesmo). Cedendo à insistência da filha para fazer um teste para a próxima edição do Big Brother, Luciano acaba se convencendo de que está sendo observado pelos organizadores do programa em seu cotidiano, entregando-se a uma paranoia absurda enquanto encena uma versão de si mesmo para conquistar os tais produtores imaginários.

Primo temático de O Rei da Comédia, já que as ilusões e ambições de Luciano remetem bastante às do Rupert Pumpkin de Robert De Niro naquela obra de Scorsese, Reality faz a primeira de suas várias observações críticas a partir das aparições pontuais de Enzo, que parece viver numa constante tour autopromocional embalada por sua frase genérica e tola e por uma persona festeira absurda, pintando sua vida de celebridade como algo que traz baladas e superficialidade como substitutas de felicidade e substância. Sujeito medíocre e sem talento, Enzo é, assim, a encarnação de toda uma cultura de fama que transforma em ídolos figuras como Paris Hilton, Narcisa Tamborindeguy e Honey Boo Boo (pesquisem no YouTube; é deprimente demais para explicar aqui), que inexplicavelmente dominam capas de revista e ganham horas e horas de exposição na televisão embora nada tenham a oferecer de concreto à sociedade além de um espetáculo particular de egocentrismo e alienação.

Assim, não é à toa que Enzo contraste tanto com o protagonista, que trabalha de sol a sol e construiu uma vida perfeitamente feliz mesmo enfrentando todas as dificuldades do cotidiano de uma família humilde – e Garrone e seu designer de produção Paolo Bonfini ressaltam esta alegria através dos ambientes coloridos e agradáveis que compõem a vizinhança e as residências de Luciano e seus parentes. (Neste sentido, aliás, a escalação do elenco, com seus tipos físicos marcantes, remetem também a um universo quase felliniano, o que se mostra bastante apropriado diante da temática do longa.) Porém, o elemento fundamental da narrativa, justamente por destacar a trajetória destrutiva da busca pela fama, é mesmo a atuação magistral de Aniello Arena, que transforma Luciano em um homem sempre alegre e carinhoso que, aos poucos, perde de vista as prioridades que realmente o faziam feliz – e é digno de nota que o ator seja, na realidade, um ex-matador da Máfia que se encontra cumprindo pena de prisão perpétua há 20 anos, já que isto não poderia contrastar mais com a natureza calorosa do personagem (Garrone conseguiu permissão para que Arena deixasse a prisão durante o dia para rodar o filme).

Tecnicamente ambicioso, Reality ainda impressiona pelos vários planos-sequência memoráveis criados pelo diretor e por seu diretor de fotografia Marco Onorato, começando já com aquele que abre o filme e que, de uma visão aérea de Nápoles, passa a acompanhar de perto uma carruagem que anacronicamente percorre as ruas da cidade – uma lógica visual que amarrará a narrativa com o plano final, criando uma rima temática admirável. Além disso, Garrone é hábil ao sugerir a natureza paranoica de Luciano através de uma profundidade de campo pequena em vários instantes, quando elementos fora de foco parecem observar o sujeito à distância, e pela utilização de quadros que sugerem o próprio posicionamento das câmeras de um reality show.

Construindo ainda uma relação metafórica entre religião e fama através dos eventos retratados no terceiro ato, que parecem sugerir (acertadamente) que a celebridade é uma obsessão quase religiosa nos dias de hoje, quando, além disso, elevamos ao posto de semi-deusas criaturas como Neymar e Michel Teló, Reality é uma obra inteligente, engraçada e profundamente relevante.

Crítica originalmente publicada como parte da cobertura da Mostra de São Paulo de 2012.

22 de Outubro de 2012

Comentários

comments powered by Disqus
Publicidade

Redes Sociais

Filmes Relacionados

Variedades

    Publicidade

    Agora!