Bem-vindo!
 
Publicidade
Publicidade
Os Estagiários
(The Internship)
Comédia - 2013 (Estados Unidos)
Dois quarentões tentam iniciar um estágio em uma empresa de grande sucesso na internet onde seus gestores são jovens de vinte anos.
 

Crítica

por Pablo Villaça

Dirigido por Shawn Levy. Com: Vince Vaughn, Owen Wilson, Aasif Mandvi, Rose Byrne, Max Minghella, Josh Brener, Tiya Sircar, Dylan O’Brien, Tobit Raphael, Josh Gad, Rob Riggle, B.J. Novak, Will Ferrell e John Goodman.

Embora se apresente como uma comédia, Os Estagiários é basicamente o mais caro vídeo institucional já produzido. Dedicando-se a estabelecer a principal ferramenta de buscas do planeta como uma corporação paradisíaca, benevolente e utópica (“O Google é o melhor lugar do mundo para se trabalhar!”, anuncia o protagonista em certo momento), o longa co-escrito por Vince Vaughn e Jared Stern pode até funcionar como peça de marketing, mas, como filme, é um projeto formulaico que comete o maior pecado no qual uma comédia poderia incorrer: é sem graça na maior parte do tempo.

Tentando repetir a dinâmica que funcionou tão bem em Penetras Bom de Bico, a produção traz Vaughn e Owen Wilson como amigos que, depois de uma vida dedicada à venda de relógios, subitamente se descobrem desempregados e sem perspectivas profissionais. Chegando à meia-idade e prejudicados pela própria falta de habilidades além do talento para o comércio, os dois decidem se candidatar a um estágio de verão no Google, disputando com dezenas de jovens algumas poucas vagas de emprego que serão definidas através de uma espécie de gincana nerd. Integrando um grupo de “perdedores” (claro), Billy e Nick ajudam os colegas em sua socialização enquanto procuram se adaptar ao mundo digital.

Como é típico das comédias protagonizadas pelo frat pack (grupo que inclui, além de Vaughn e Wilson, gente como Will Ferrell, Ben Stiller, Steve Carell, Paul Rudd e Jack Black), Os Estagiários sugere o tempo todo uma narrativa repleta de improvisos que certamente renderá longos minutos de takes alternativos no material bônus lançado em DVD e Blu-Ray. Infelizmente, se ocasionalmente isto traz bom resultados (O Âncora), na maior parte do tempo a liberdade excessiva acaba resultando em um filme autoindulgente no qual o prazer dos atores no set pouco se reflete na experiência do espectador, que é obrigado a acompanhar piadas que se estendem indefinidamente, repetindo-se num esforço claro para provocar o riso através do cansaço – como, por exemplo, na cena em que Vaughn insiste em usar a expressão “on the line” apesar de ser corrigido inúmeras vezes (ele é surdo ou apenas estúpido?) e no instante em que descobre que a lanchonete da empresa não cobra pelos produtos. Como se não bastasse, a própria trama básica revela-se óbvia, chegando a investir num romance clichê entre os personagens de Wilson e Rose Byrne que começa previsivelmente com a antipatia da moça pelo rapaz (oh! Será que terminarão juntos? Mistério!).

Com isso, a sensação que o filme projeta é a de que devemos apreciá-lo apenas pela oportunidade de vermos dois comediantes carismáticos dividindo a cena enquanto são pagos para se divertir, mesmo que raramente alcancem os bons resultados de sua parceria anterior. Aliás, a aposta da produção é mesmo a de que apenas os nomes do elenco serão o bastante para tornar o projeto interessante – e, assim, quase todos os papéis menores são vividos por intérpretes que conquistaram nossa afeição em filmes muito melhores do que este. Há momentos, diga-se de passagem, em que o longa nem mesmo parece fazer qualquer esforço, supostamente julgando que o simples fato de um personagem dizer “Você é tão gordo!” para um coadjuvante obeso será o bastante para que gargalhemos. Afinal, o cara é mesmo muito gordo e gente gorda sendo ridicularizada é algo muito engraçado e ha-ha-ha foda-se o cara gordo!

Não que seja impossível fazer humor a partir das características físicas de alguém (embora este seja o tipo mais barato e infantil de piada), mas simplesmente apontá-las não é o caminho para provocar o riso. Da mesma maneira, é triste ver um sujeito normalmente divertido como Aasif Mandvi - que constantemente critica estereótipos em suas participações no The Daily Show – ser levado justamente a adotar um sotaque indiano caricato mesmo tentando criar um personagem relativamente multifacetado. Para completar, o roteiro ainda compõe o núcleo principal com atores obrigados a viver criaturas unidimensionais cujos problemas existem apenas para serem solucionados pelos heróis: o asiático dominado pela mãe; a jovem que se finge liberada, mas nunca viveu de verdade; o sujeito que vive com os olhos voltados para o telefone e o nerd apaixonado pela professora de dança.

Não que os protagonistas sejam mais complexos: enquanto o Billy de Vince Vaughn tem, como característica principal, o fato de aparentemente ser incapaz de não gostar de alguém (além de falar rapidamente como... bom, como todos os personagens já vividos pelo ator), o Nick interpretado por Owen Wilson é uma figura tão insípida (apesar do carisma do sujeito) que, como já dito, o roteiro se vê obrigado a envolvê-lo num romance tolo apenas para que ele tenha algum arco dramático. Por outro lado, é preciso reconhecer que o filme é bem sucedido ao menos na forma com que retrata a aproximação gradual dos integrantes do grupo – e se Rose Byrne, sempre linda, é desperdiçada pelo longa, resta o consolo de que protagoniza uma boa cena com Wilson em um restaurante no qual este finge ser grosseiro.

Dirigido por um dos maiores picaretas de Hollywood, Shawn Levy (que construiu uma carreira bem sucedida a partir de filmes medíocres), Os Estagiários ainda traz problemas estruturais grotescos, como na sequência que envolve Vince Vaughn se afastando, conseguindo um emprego e sendo resgatado em um período de tempo que envolve apenas algumas horas. Além disso, a narrativa ainda investe um loooooongo tempo em uma sequência pavorosa em uma boate de strip-tease, interrompendo a projeção por cerca de cinco horas enquanto vemos os personagens formando laços de amizade através de vômitos, lap dances, ejaculações, frases de auto-ajuda e luz negra.

Tudo, lembremos, em prol de uma mensagem corporativa absurda: a de que o Google é uma corporação tão fantástica que contratará indivíduos sem qualquer capacitação profissional, responsabilidade ou experiência desde que estes sejam... bom... carismáticos. Porque se há algo importante na hora de criar apps, escrever código de programação ou trabalhar numa assistência online, este algo é o carisma.

Mal posso esperar pela continuação, na qual os heróis abraçarão a filosofia Apple e se candidatarão a estágios em fábricas sufocantes com janelas equipadas com redes anti-suicídio. Dizem que há uma ponta perfeita para Ashton Kutcher no projeto.

30 de Agosto de 2013

Comentários

comments powered by Disqus
Publicidade

Redes Sociais

Filmes Relacionados

Cinenews

    Publicidade

    Agora!