Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

Críticas por Pablo Villaça

Datas de Estreia: Nota:
Brasil Exterior Crítico Usuários
20/02/2020 29/08/2019 1 / 5 / 5
Distribuidora
Paris

Frankie
Frankie

Dirigido por Ira Sachs. Roteiro de Ira Sachs e Mauricio Zacharias. Com: Isabelle Huppert, Brendan Gleeson, Marisa Tomei, Jérémie Renier, Pascal Greggory, Vinette Robinson, Ariyon Bakare, Carloto Cotta, Sennia Nanua e Greg Kinnear.

A única explicação possível para a seleção de um longa como Frankie para a mostra competitiva do Festival de Cannes é uma obrigatoriedade, por parte da lei francesa, de que toda edição do evento tenha pelo menos uma produção estrelada por Isabelle Huppert. Escrito e dirigido pelo norte-americano Ira Sachs, o filme se passa ao longo de um único dia e acompanha a família da atriz do título (Huppert), que, nos estágios finais de câncer, reúne o marido (Gleeson), o ex-marido (Greggory), o filho (Renier), a enteada (Robinson), o marido desta (Bakare) e a filha do casal (Nanua) em Sintra, em Portugal, para suas últimas férias.


E aí atravessamos 100 minutos ouvindo as conversas desinteressantes daquelas pessoas enquanto passeiam pelos lindos arredores da cidade – e sou capaz de apostar uma caixa de bombons como o projeto foi rodado ali porque a produção conseguiu algum tipo de incentivo fiscal.

Com um elenco excepcional em suas mãos, os realizadores desperdiçam a oportunidade prendendo todos a tipos genéricos: Brendan Gleeson é o grandalhão de olhos tristes; Jérémie Réniér, o filho mimado problemático; Vinette Robinson, a esposa presa em um casamento infeliz; Ariyon Bakare, o marido que se recusa a aceitar o divórcio; e Greg Kinnear faz um personagem tão descartável que o roteiro simplesmente o manda embora no meio da projeção sem afetar nada. E Huppert, claro, encarna a mulher sofisticada, segura e com um toque de arrogância que a atriz é capaz de interpretar dormindo. Na verdade, a única que consegue fazer alguma coisa de interessante é Marisa Tomei, que traz certo grau de complexidade a uma mulher que, em mãos menos capazes, se tornaria esquecível, mas graças à sua intérprete nos convence de que todo o projeto deveria girar em torno de seus dilemas. Quanto às cenas envolvendo a neta-enteada da protagonista e seu passeio ao lado de um garoto português, meu palpite é de que existem somente para aumentar a duração da narrativa – como se monólogos terríveis (e inexplicáveis) como o de Réniér sobre uma memória da adolescência não fossem tortura suficiente.

Fazendo questão de ressaltar como todos os parentes de Frankie são independentemente ricos (ou no mínimo muito bem pagos em seus empregos) para evitar qualquer sugestão de que alguém poderia ter interesse na herança da matriarca, o filme é em essência um guia de turismo centrado na figura moribunda (mas externamente saudável para ninguém ficar deprimido) de Huppert, que, de modo apropriado, passa todo o tempo andando para lá e para cá vestida de roxo.

Pois confesso que não sentirei falta alguma de Frankie.

Texto originalmente publicado como parte da cobertura do Festival de Cannes 2019.

20 de Maio de 2019

(Curtiu o texto? Se curtiu, você sabia que o Cinema em Cena é um site totalmente independente cuja produção de conteúdo depende do seu apoio para continuar? Para saber como apoiar, basta clicar aqui - só precisamos de alguns minutinhos para explicar. E obrigado desde já pelo clique! Mesmo!)

Pablo Villaça, 18 de setembro de 1974, é um crítico cinematográfico brasileiro. É editor do site Cinema em Cena, que criou em 1997, o mais antigo site de cinema no Brasil. Trabalha analisando filmes desde 1994 e colaborou em periódicos nacionais como MovieStar, Sci-Fi News, Sci-Fi Cinema, Replicante e SET. Também é professor de Linguagem e Crítica Cinematográficas.

 

Para dar uma nota para este filme, você precisa estar logado!