Poster: Aquarius

 

 

Publicidade


Banner: Aquarius

Datas de Estréia: Notas:
Brasil Exterior Crítico Assinante Distribuidora
17/05/2016 17/05/2016

Sobre o autor da crítica:

Pablo Villaça, 18 de setembro de 1974, é um crítico cinematográfico brasileiro. É editor do site Cinema em Cena, que criou em 1997, o mais antigo site de cinema no Brasil. Trabalha analisando filmes desde 1994 e colaborou em periódicos nacionais como MovieStar, Sci-Fi News, Sci-Fi Cinema, Replicante e SET. Também é professor de Linguagem e Crítica Cinematográficas.

Dirigido e roteirizado por Kleber Mendonça Filho. Com: Sônia Braga, Maeve Jinkings, Irandhir Santos, Julia Bernat, Humberto Carrão, Carla Ribas, Paula De Renor, Thaia Perez.

Duvido que haja no Festival de Cannes deste ano um filme mais repleto de afeto que Aquarius, segundo longa de ficção escrito e dirigido pelo pernambucano Kleber Mendonça Filho, responsável pelo maravilhoso O Som ao Redor. Povoado por personagens que (em sua maioria) se amam como parentes, amigos ou mesmo conhecidos da vizinhança, o filme visita festas de família, bailes para a “melhor idade” e conversas na sala de estar, extraindo doçura das relações entre indivíduos ligados pelas memórias em comum.

Logo nos primeiros minutos de projeção, aliás, somos levados à celebração do aniversário de 70 anos de tia Lúcia (Thaia Perez), cuja trajetória notável é relembrada nos discursos infantis de seus sobrinhos-netos, filhos de Clara. Cercada pelos parentes, tia Lúcia de repente se distrai ao olhar para uma cômoda no canto da sala – e, num desses presentes que só um bom cineasta consegue dar ao espectador, subitamente vemos as lembranças que o móvel desperta na doce velhinha e percebemos, surpresos, que ela está se recordando de intensas sessões de sexo que experimentou há décadas sobre aquele objeto. E, então, somos nós quem saltamos décadas no tempo, reencontrando Clara (Sônia Braga) já próxima da idade de sua agora falecida tia e morando sozinha no mesmo apartamento que abrigara a festa e que permanece como o único habitado de todo o edifício que dá título à obra, já que uma construtora local comprou os demais e agora insiste para que a protagonista venda também o seu.

Interpretada por Braga naquela que talvez seja a melhor performance de sua carreira, Clara é uma senhora ainda bela e de temperamento calmo que, madura (ainda que impulsiva), leva uma existência tranquila cercada por seus discos e livros e que envolve a rotina de ir à praia todas as manhãs e cochilar na rede de quando em quando. Ainda exibindo a mesma presença magnética que a transformou em estrela internacional, a atriz carrega o filme com firmeza absoluta, já que está presente em praticamente todas as cenas, compondo uma figura multifacetada e fascinante cuja calma, quando testada, pode ceder lugar a uma explosão que a deixa com a voz falha e trêmula diante do jovem engenheiro (Humberto Carrão, excelente) que adota estratégias nada éticas para convencê-la a deixar o prédio. Fechando o núcleo principal de um elenco homogêneo em sua qualidade, Irandhir Santos vive um salva-vidas local com quem Clara ocasionalmente parece flertar, enquanto Maeve Jinkings (Boi Neon) constrói um dinâmica complexa com Braga, preocupando-se com esta, mas também interessando-se na venda do imóvel por estar enfrentando dificuldades financeiras agora que cuida sozinha do filho pequeno – e as duas protagonizam uma discussão dolorosa na qual mágoas antigas vêm à tona mesmo sob suas vozes tranquilas.

É admirável, diga-se de passagem, como o cineasta e seus atores evocam o passado daqueles personagens mesmo sem qualquer necessidade de diálogos expositivos; basta um “como vocês se lembram” para que, ainda que não saibamos exatamente do que estão falando, percebamos o que significa e o peso que tem. Neste aspecto, Aquarius é um filme enriquecido por compreender e buscar a humanidade não só da protagonista, mas até de quase figurantes – e um dos momentos mais tocantes da projeção é aquele no qual vemos a comemoração do aniversário da diarista de Clara e que, durante os “parabéns pra você”, beija a foto do filho que morreu jovem num acidente.

Interessado também nos elementos políticos e sociais que oferecem contexto à trajetória daqueles indivíduos, o diretor aponta o autêntico corporativismo de uma elite que se protege através de ligações obviamente promíscuas (o jovem engenheiro é afilhado do irmão de um editor de jornal que, por isso, o mantém presente nas colunas sociais, inflando sua reputação), remetendo também ao preconceito velado que se mantém imutável ainda hoje (“Sei que a senhora veio de origens humilde...”, presume alguém sobre Clara apenas por estar ter “a pele mais escura”).

Ainda assim, mesmo com todas as suas ambições temáticas, é mesmo o talento de Aquarius para construir simbolismos que não cansa de surpreender o público – começando já pelos cabelos da protagonista, que, curtos na cena inicial em função da quimioterapia para curar um câncer, surgem longos e frequentemente soltos no restante da narrativa, tornando-se uma representação da extensão de sua jornada ao se livrar da doença. Além disso, Kleber demonstra o poder da ressignificação através da cômoda citada anteriormente, pois se é visto apenas como um móvel para todos que visitam o apartamento, para o espectador passa a ser um símbolo de desejo e sexualidade.

Esta, afinal, é a natureza de nossas memórias, que conferem peso e significado diferentes para tudo que nos cerca: um piano, por exemplo, não é só um instrumento, mas traz consigo um pedaço de todos que já o tocaram e as ocasiões em que o fizeram (e, mais uma vez, quando vemos Clara diante do piano em seu apartamento, nos lembramos de tia Lúcia e de seu aniversário). É por esta razão que a personagem de Braga valoriza tanto a fisicalidade de um disco: não é que seja avessa às novas tecnologias e se recuse a ouvir canções em mp3 (ela não se recusa); o problema é que não é possível tocar um arquivo digital com as mãos e pensar em todos que já o carregaram ou então comprá-lo em um sebo e adquirir, com ele, sua história e tudo o que traz de abstrato, como lembranças, sentimentos e signos.

É isto que aqueles que querem derrubar o prédio-título não compreendem: embora acreditem estar fazendo uma oferta “generosa” para comprar o apartamento de Clara, não computam – e nem teriam como computar – o valor das memórias que este abriga. E a simples proposta de batizar o novo edifício com o nome de “Novo Aquarius” demonstra uma cegueira sintomática para o fato de que não poderiam reconstruir também o aniversário de tia Lúcia que aconteceu naquela sala, os primeiros passos dados pelos filhos da protagonista naqueles corredores ou às transas que provocaram orgasmos naqueles quartos. Como os cupins que tomam conta de um imóvel e sem controle ou respeito o destroem, o jovem engenheiro tenta subordinar o pessoal, o intangível, ao capital e à sua própria ganância profissional.

Cada objeto contém uma importância particular para quem o possui e que vai além do valor de mercado. Há alguns anos, por exemplo, comprei um livro em um sebo do Rio de Janeiro apenas porque li, na primeira página do volume, uma dedicatória escrita à mão que dizia “Para Ana, meu grande amor” – e a triste história contida naquelas poucas palavras eram mais do que suficiente para que merecessem ser preservadas.

E Aquarius é uma obra que compreende que não se escreve dedicatória num PDF. 

Texto originalmente publicado como parte da cobertura do Festival de Cannes 2016.

17 de Maio de 2016

(O Cinema em Cena precisa de seu apoio para continuar a existir e a produzir conteúdo de forma independente. Para saber como ajudar, basta clicar aqui - só precisamos de alguns minutinhos para explicar. E obrigado desde já pelo clique!)

 

Comente!

  • Christian Rezende Freitas em 03/11/2016 às 09:05

    Olá Pablo, parabéns pelas conquistas e sucesso nos seus projetos. É a primeira vez que escrevo aqui mas conheço o cinema em cena há muito tempo. Não sou cinéfilo, não sou especialista, mas aprecio discussões sobre filmes. Resolvi escrever porque assisti ontem Aquarius (A esposa queria assistir) e me senti incomodando com o filme. Em resumo não gostei. Ao ler sua crítica, vendo suas cinco estrelas, fiquei incomodado, a ponto de me motivar a comentar. Pra levantar a discussão aqui vai os aspectos que me incomodaram:
    - o filme longo demais para pouca história;
    - filme lento demais;
    - cenas de sexo gratuitas que não acrescentam nada e desnecessárias para passar a mensagem desejada;
    - muita cena para "encher linguiça" de 2h de filme;
    - se o foco era Clara e sua experiência de vida, porque não focar nas fases de sua vida em vez de tentar amarrar a narrativa em uma situação rasa, com pouco desdobramento prático e sem conclusão;
    - achei a estrutura do filme muito esquemática a exemplo da divisão explicita dos três atos com títulos apresentados como "figuras de linguagem";
    - inserção de conteúdo político e social de forma piegas, como sempre é feito em filme nacional nos últimos tempos;
    - duas horas de Sônia Braga, em vez de tentar ser sofisticado usando o nome Aquarius, o filme deveria se chamar "Sônia"
    Abraço a todos.

  • fernando henrique Antony em 30/09/2016 às 14:03

    um filme brilhante.

  • Julia Caram Sfair em 25/09/2016 às 20:52

    Aquarius é uma aula sobre resistência

  • Fernanda Barbieri em 20/09/2016 às 05:43

    Concordo com o colega André Costa, que viu na Clara uma madame. Sim, ela é. Acorda tarde, tem uma empregada (confesso que tive uma certa inveja dessa tranquilidade), não trabalha e pertence a uma família de elite. Inclusive, achei um sintoma um tanto patológico, de uma moça mimada, o apego excessivo ao imóvel, porque afinal de contas não é o espaço físico que abriga as memórias - essas não lhe podem ser apagadas por nenhuma construtora. Há que se considerar que o prédio foi levado a tal situação de abandono também por uma decisão coletiva dos outros moradores, que, por uma certa teimosia de quem não está acostumada a ser contrariada, ela acabou não acatando. Não acho que a dor de uma pessoa em ver seu lar ser destruído, deva ser minimizada, mas afinal, o coletivo tem dessas coisas, nem sempre a decisão tomada será a nosso favor. E por fim, a vida é renovação.
    Dito isso, Clara é profundamente humana e por isso conquistou a minha empatia de cara! Afetuosa, sim, da sua maneira, sensível e forte. E, claro, a construtora personificada pelo avô e neto (que também sugere uma unidade familiar) consegue despertar o asco pretendido pela especulação.
    A trilha sonora é impecável, mas devo dizer que, enquanto eu e meu namorado, que temos 44 e 48 anos saímos profundamente emocionados do cinema, nossos filhos de 20 anos não alcançaram os mesmos sentimentos. Nós, que fomos tocados pelas músicas e pelos retratos das nossas infâncias, sentimos o filme de um modo bem distinto deles, portanto não sei dizer se o que nos emocionou não tem um pouco a ver com o contexto particular de quem viveu o Brasil, nas décadas de 70 e 80.
    Achei o filme quase todo impecável, mas, o final me fez dar 4 estrelas. Talvez porque gostaria de ver um final feliz e fiquei com o gosto de deterioração que deixam os problemas nunca resolvidos. Nesse contexto, considero que Clara, mesmo ganhando o direito de ficar no prédio, estaria perdendo.

  • André Costa em 08/09/2016 às 21:47

    Olá, Pablo!

    Venho comentar aqui no site pela primeira vez porque queria compartilhar algumas impressões sobre o Aquarius. Logo após o filme vim ler sua crítica, como costumo fazer. Mas dessa vez não me senti contemplado rs

    Primeiramente, Fora Temer.
    SEgundamente, não vi todo esse afeto nas relações de Clara não. Principalmente com seus familiares. Senti uma coisa meio fria entre os parentes.

    O filme trata principalmente da memória, e faz isso brilhantemente. Usa toda a questão da especulação imobiliária e a agressividade do capital para isso. Mostra como a construtora não tem limites em suas ações para "convencer" a Clara a deixar o prédio.

    Mas penso que ali no filme além dessa relação entre construtora (mau) x Clara (bom) há uma crítica à mesma Clara e sua família pertencente à elite pernambucana. A ideia que tive de Clara é q ela seria uma dondoca que vai à praia todo dia, tem uma empregada (mordomo) pra fazer todo o necessário e vive do patrimônio da família que parece estar presente há muito tempo desde Dona Lúcia.
    Então quando o engenheiro diz a ela que veio de origem humilde pela cor da pele, me pareceu uma fala totalmente irônica pois é sabido q aquilo foi mais herdado do q conquistado.

    Outras partes q explicitam isso e que você não comentou são as que aparecem o "espírito" da empregada negra pela casa. Dois fatos muito simbólicos: o irmão de Clara não saber o nome da empregada q por anos serviu a família e o fato de ter uma foto dela cortada(!) com uma criança ao lado. E enquanto a família discute tudo isso e bebem vinho e escutam música (zzz) a empregada corta a carne pro almoço dos mauricinhos.
    O q interpretei disso tudo é que enquanto há essa disputa entre construtora e Clara (ambos elite ) os pobres funcionários, empregados passaram invisíveis naquele mesmo espaço tão cheio de memória, sempre com seu espaço demarcado e nunca usufruindo daquilo tudo.

    Essa crítica à relação patrão x empregado que é mostrada em "Que Horas Ela Volta?" pra mim ali tb é parte central do filme.

    Bom, é mais ou menos isso. Não sei se estou viajando mas n acho q foi à toa aquela cena do sonho de Clara com a empregada esquecida.

    Abração!

  • Patrícia Paiva em 02/09/2016 às 00:04

    Quando saio do cinema eu ouço uma mulher no banheiro dizendo que não gostou do filme, porque brasileiro tenta imitar os americanos(acho que ela quis dizer que estava esperando mais uma novela do Manoel Carlos ) e no final, disse que não entendeu muito rs. Onde vai parar nosso comodismo ao querer filmes com história quadrada e montada na mesmice? Pensei. A crítica está perfeita, principalmente no que tange a discursar sobre a essência dos sentimentos que envolvem a personagem Clara, seu apego não é só ao objeto, é ao que ele representa, atingindo pessoas, momentos, música, sentidos, história. É um filme em que Sônia Braga abusa da delicadeza sem perder a personalidade forte da personagem, tão realista. Linda, maravilhosa, apaixonante. O elenco tá todo afiado e confesso, me identifiquei tanto com Clara em diversos pontos, que chorei. Não vou citar, porque darei spoiler, mas cenas diversas me concentraram para além do filme, ainda mais, porque se trata de Recife e Boa Viagem, lugar onde já passei algumas vezes com muito amor. Muita gente tem um pouco de Aquarius na vida, talvez com menos valor econômico, no sentimento pelo que representa uma xícara, um bichinho de pelúcia, uma almofada, um CD, um livro, algo que não vende por nada, porque o dinheiro não substitui.

  • jean franco borges em 05/06/2016 às 17:11

    "E Aquarius é uma obra que compreende que não se escreve dedicatória num PDF. "

    Belíssima crítica. Louco para assistir a esse filme.

  • Gustavo Caldas Leite Raposo em 20/05/2016 às 21:33

    Na verdade estou ansioso pela crítica de X-Men

  • Rodrigo Mendes em 19/05/2016 às 13:26

    Ótimo texto, como sempre Pablo.
    Estou ansioso pelo filme, mas não quero criar expectativas altas. Lendo o seu texto lembrei de "Cinema Paradiso" ao abordar memórias afetivas num determinado local.
    Não sei, mas aposto que o filme leva a Palma de Ouro...
    Abraço.

  • André Roldão em 18/05/2016 às 09:58

    Ótima crítica! Ainda não assisti ao filme, mas a impressão que tive ao ler a crítica, é que um filme pode ser espetacular sem que haja um grande evento ou acontecimento. A vida é, por si mesma, empolgante e seu retrato em um filme pode nos despertar várias emoções. Lembrei muito de Boyhood - Da Infância à Juventude.
    Ansioso para a estréia no Brasil!

 

Redes Sociais Sobre