Cinema em Streaming Episódio #12: O Barco: Inferno no Mar (1981)

É impossível pensar em um filme sobre jornalistas sem pensar em Cidadão Kane ou Todos os Homens do Presidente; em uma adaptação dos quadrinhos sem lembrar de Superman - O Filme; em um suspense sobre serial killer sem citar O Silêncio dos Inocentes.

E simplesmente não dá para discutir obras que envolvem submarinos sem mencionar Das boot (O Barco), que o cineasta alemão Wolfgang Petersen dirigiu em 1981. Sim, o subgênero já havia gerado alguns bons títulos como A Raposa do Mar (1957) e O Mar é Nosso Túmulo (1958) e voltaria a gerar outros ainda melhores como Maré Vermelha (1995), mas nenhum deles alcança a urgência e a atmosfera sufocante de angústia e claustrofobia provocada por O Barco.

Indicado a seis Oscars em 1983 (dois anos depois de seu lançamento na Alemanha Ocidental), o trabalho de Petersen foi lembrado em categorias até então comumente reservadas apenas para produções ou coproduções norte-americanas ou britânicas - um feito, aliás, que poucos filmes conseguiriam repetir (o nosso Cidade de Deus foi um deles) -, levando seu diretor a desenvolver sua carreira também em Hollywood (A História Sem FimInimigo MeuNa Linha de Fogo, Mar em FúriaTróiaPoseidon).

A versão disponível no Netflix é a de 1997, que traz quase 70 minutos a mais do que a original e que consegue ser ainda melhor do que esta. 

Clique na imagem abaixo para assistir.

Um grande abraço e bons filmes!

Outras edições da coluna:

Episódio #11: A Fortuna de Ned
Episódio #10: Amy
Episódio #09: In the Loop
Episódio #08: Life Itself
Episódio #07: À Procura de Elly
Episódio #06: O Guarda
Episódio #05: Triângulo do Medo
Episódio #04: Tempo de Despertar
Episódio #03: A Trapaça
Episódio #02: Tyke: Elephant Outlaw
Episódio Piloto: 21 longas para começar.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Pablo Villaça Colunista

Pablo Villaça, 18 de setembro de 1974, é um crítico cinematográfico brasileiro. É editor do site Cinema em Cena, que criou em 1997, o mais antigo site de cinema no Brasil. Trabalha analisando filmes desde 1994 e colaborou em periódicos nacionais como MovieStar, Sci-Fi News, Sci-Fi Cinema, Replicante e SET. Também é professor de Linguagem e Crítica Cinematográficas.